Agita São Paulo: uma atividade física que mobiliza o estado e diminui o sedentarismo

Por Guilherme Barros

Agita SP é um programa da Secretaria do Estado da Saúde, em parceria com o Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul. Desde 1997 tem organizado caminhadas e eventos em prol de um estilo de vida mais saudável. 

 

 

O programa Agita foi criado em dezembro de 1996 e implementado em janeiro de 1997 por um grupo de cientistas, pesquisadores e professores. Há mais de duas décadas, estimula pessoas a fazerem no mínimo 30 minutos de atividades físicas diárias, somando 150 minutos semanais, número indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).  Esse tempo de dedicação já é o suficiente para a prevenção de diabetes e osteoporose.

O programa tem como objetivo aumentar o conhecimento da população em relação às atividades físicas, a fim de diminuir o número de sedentários, estendendo-se por mais de 478 municípios do estado. Atualmente, o Agita conta com 45 especialistas e professores atuando diretamente no programa, profissionais altamente qualificados e experientes na área, formados em universidades como Harvard e Stanford.

Segundo Dr. Victor Matsudo, diretor do projeto, hoje o programa tem 30 profissionais pesquisando e atuando no Brasil e 15 no exterior, o que garante atualização constante. Ele é médico especialista em ortopedia e traumatologia e em medicina do esporte. Doutor e livre-docente em medicina, é o atual diretor científico do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (Celafiscs). Também exerce a função de Coordenador Geral do Programa Agita São Paulo na Secretaria de Estado da Saúde.

Matsudo salienta que antes do programa Agita, mais de 70% da população paulista sofria de sedentarismo, causa de cerca de 300 mil mortes anuais por infarto do miocárdio, o que custa aos cofres públicos mais do que o tratamento contra o tabagismo. Hoje, o projeto, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo, fez com que o índice caísse para 48%, de acordo com estudo realizado pelo diretor e seus colaboradores na Santa Casa de São Paulo.

Sua origem está relacionada à comemoração do Dia Mundial da Atividade Física,  6 de abril, com programação concentrada na Semana Mundial de Atividade Física. O movimento principal acontece na avenida Paulista todos os anos e reúne mais de 5 mil pessoas.

A equipe

 

Dr. Victor Matsudo e João Pedro Junior, idealizadores do projeto há mais de 20 anos.

Por trás das passeatas, aulas, atividades físicas e conscientização, o projeto possui muitos profissionais da área de Saúde e Esporte.João Pedro Junior, 48 anos, formado em educação física, com mestrado em medicina, está desde 2007 no Agita. Ele coordena os 478 municípios na  função de assessor técnico científico. “Um convite vindo do professor Victor Matsudo me deu a oportunidade de cuidar dos 478 municípios integrados ao Agita. Com a minha formação em educação física, juntamente com a medicina, fui convidado inicialmente para ser um voluntário. Depois, fui contratado e, desde então, não saí mais.”

Inclusão Social

Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo, IAMSP participa mais uma vez da passeata do Agita. Foto Cézar Augusto

O Programa Agita adota uma filosofia de que toda e qualquer pessoa pode praticar atividades físicas, mesmo que possua mobilidade reduzida. Para o programa, praticar atividade física deve ser um hábito populacional. Os 30 minutos diários recomendados pelo Agita podem ser feitos de acordo com a necessidade de cada um. Eles comprovam que não é necessário fazer exercícios de alta intensidade para ter uma vida de qualidade. Um grande exemplo é o Grupo Interação Cultura Esporte e Lazer (ICEL), projeto direcionado para cadeirantes da Cidade Dutra, zona sul, que é sediado pelo Centro Educacional Unificado (CEU) do bairro localizado em São Paulo.

 

Pela primeira vez o ICEL participou da passeata em busca da igualdade e inclusão social. Foto Guilherme Barros

Paulo Scarpelli Cássia, tem 42 anos e é o fundador e diretor do ICEL. Após sofrer uma queda de 3 metros de um mezanino e ter lesionado a medula em nível t8 e t9, Paulo perdeu os movimentos das pernas. O projeto teve início com a ajuda do Serviço ATENDE/SPTRANS e mais 4 colegas cadeirantes em 2009.

Atualmente o programa conta com 20 cadeirantes e alguns voluntários.

“Um projeto que engatinha. É muito difícil iniciar um projeto onde não se tem verba, local próprio para fazermos as nossas atividades, e no nosso caso, um veículo adaptado para locomoção. Graças ao ATENDE, o ICEL tem essa locomoção. Como também o CEU que acolheu nossa causa e luta pela nossa inclusão na sociedade e os nossos parceiros”.

            Neste último domingo (8), o ICEL participou pela primeira vez na passeata com o Agita. Uma parceria que já é dada como certa pelos Coordenadores dos dois projetos. Eles pregam a inclusão social.

 

A cereja do bolo

Vivemos em um mundo onde todos almejam mais qualidade de vida. Para chegarmos a tal ponto é necessário ter um equilíbrio entre uma alimentação adequada e a prática de atividades físicas. O excesso do consumo de alimentos ricos em sódio, corantes, açúcares e conservantes, aliados ao sedentarismo, é o grande responsável por diversas doenças como hipertensão, diabetes, obesidade, colesterol alto, entre outras. Esses fatores, quando associados a um histórico familiar, fazem com que a pessoa seja ainda mais suscetível a essas doenças.

Dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde mostram que, nos últimos 10 anos, a prevalência da obesidade no Brasil aumentou em 60%, passando de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016. O excesso de peso também subiu de 42,6% para 53,8% no período. Os dados são da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), com base em entrevistas realizadas de fevereiro a dezembro de 2016 com 53.210 pessoas maiores de 18 anos de todas as capitais brasileiras.

Segundo a Associação Brasileira para Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), a região sudeste é onde se encontra o maior número de excesso de peso infantil, está entre 38% das crianças de 5 a 9 anos, já o menor percentual se encontra na região norte, que atinge 25% das crianças. A região sul está em primeiro lugar no excesso de peso entre os adolescentes de 10 a 19 anos, com 24,6%. A maior faixa entre os adultos também se encontra na região sul, afetando 56%. O menor índice está na região nordeste, que atinge 44%.

Uma dica importante

Segundo a nutricionista, Gisele Cristina Perestrelo Malta, 30, o primeiro passo para ter uma alimentação mais balanceada e evitar a obesidade, é saber que você não deve se restringir e sim ter uma reeducação alimentar. “Um dos maiores fatores para se controlar a obesidade, é a reeducação alimentar, é a gente aprender a se alimentar melhor, controlar a qualidade e quantidade, além de evitar pular as refeições. Ficar muitas horas sem se alimentar, faz com que o organismo começa a trabalhar mais lentamente, ele entende que vai passar necessidade, então ele trabalha mais lento, começa a queimar gordura de onde não deve e a pessoa quando se alimenta, acaba se alimentando mais que o necessário, e acaba exagerando, e aí é onde gera a obesidade. Não temos como viver sem o industrializado, o segredo é aprender a escolher os mais saudáveis, temos que abrir menos embalagens e descascar mais, então evitar comer tantos industrializados e aprender a se alimentar melhor”.

Para consultar seu Índice de Massa Corporal (IMC), basta clicar aqui . O IMC serve para avaliar o peso do indivíduo em relação à sua altura e assim indicar se está dentro do peso ideal, acima ou abaixo do peso desejado.

Opinião Pública

Marcelo, voluntário do PROJETO EXERCÍCIO E CORAÇÃO, comparece a pela primeira vez na passeata do AGITA

  Lucia Gonzaga da Rocha, 44 anos, é ex-funcionária pública na área da saúde. Ela participa do Programa Agita desde 2010 como voluntária. Desde o primeiro ano, Lucia leva algumas crianças da sua comunidade na zona sul para a paulista.“No começo era eu, e duas meninas, filha de uma vizinha. Hoje, eu trago 6 pessoas. Eles não gostavam de fazer atividade física, mas depois que eles vieram, adoraram”.

Tamires participou pela primeira vez a passeata do Agita. Ela foi poucas vezes a paulista, e pouco se atentou aos programas que ocorrem lá nos finais de semana. Ela foi com o incentivo da noiva Samanta, que cursa educação física e recebeu um convite do seu professor para participar da passeata. Tamires gostou muito da iniciativa do Agita e pretende voltar mais vezes.“É muito legal passear pela paulista sem os carros, o barulho todo. Eu sou ciclista, e andar aqui com a rua fechada e poder andar tranquilamente é muito bom!”

Era notável ver ao decorrer da passeata, um público bem diversificado. Desde crianças, até os mais velhos. Isso colabora para que todos sejam conscientizados que para praticar atividades físicas não tem idade.

O AGITA mostra á crianças que atividade física tende a ser praticada desde pequena, mesmo em forma de brincadeira.

Ensinar uma criança desde pequena que o esporte e a atividade física devem fazer parte do seu cotidiano, previne diversas doenças. Como a Hipertensão e a obesidade. Assim, com a prática de exercícios, será fundamental para que no futuro não se torne um adulto sedentário e com problemas sérios de saúde devido à falta de exercícios que estimulem músculos, órgãos, tecidos e células.

Ao final da passeata, Dr. Victor diz que superou as expectativas dos organizadores. Mesmo em menor número neste ano por conta da locomoção das outras parceiras, cerca de 2 mil pessoas participaram do evento. E foi bem satisfatória.

Confira no vídeo:

 

Confira também nossa galeria sobre o evento:


 

#jornalismo #auncodigo #cruzeirodosul #AGITA #AGITAMUNDO #AGITASP #EDUCACAOFISICA #ICEL #MASP #PAULISTA #AVENIDAPAULISTA #VAOMASP #USP #cidadania #inovacao #urbanismo #Prefeitura #sp #EXERCICIOS #PASSEATA #MOBILIDADE #CIDADADE #INCLUSAO #SAUDE #BEMESTAR

 

Equipe:

Pauteiro: Lucas Rodrigues

Repórter :Guilherme Barros

Fotógrafo: Cezar Augusto

Revisor: Lucas Rodrigues

Editor: Cezar Augusto

Planejamento Multimídia:Samuel Vasques

Redes Sociais: Jonatas William

2 comentários em “Agita São Paulo: uma atividade física que mobiliza o estado e diminui o sedentarismo

  • maio 16, 2018 em 9:25 am
    Permalink

    Adorei a reportagem! É um assunto que muito me interessa, uma vez que estou bastante focada na minha saúde física já tem alguns meses.
    Conhecer projetos nessa direção nos dá maior acesso e ânimo pra participar . Nunca é tarde pra começar!! Parabéns pela ótima abordagem do assunto!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *