Inovadores da área de comunicação debatem importância da tecnologia nas periferias de SP 

Ação aconteceu no campus de São Miguel Paulista da UniCSul em parceria com a instituição Tide Setúbal e contou com comunicadores sociais da Zona Leste

Por: Rafael Brayan

A Universidade Cruzeiro do Sul recebeu, na última segunda-feira (7), o Aquece do Inova ZL, no campus de São Miguel Paulista, em parceria com a instituição Tide Setúbal. Com participação de inovadores na área de comunicação da Zona Leste, o debate tratou formas e meios de solucionar problemas das periferias através da tecnologia em conversa com estudantes.

Diretora do grupo LabHacker, Greta Gogiel abriu a conversa falando sobre o impacto da tecnologia na sociedade e a ideia do coletivo. “Pensamos sempre em como unir tecnologia e as pessoas que têm medo de tecnologia, como que trazemos isso para o mundo”, contou. 

“Pensamos que tecnologia é conhecimento, então, como pegamos o nosso conhecimento e passamos para o mundo em código aberto, sempre livre? Porque todas as ideias vêm através de um processo de conhecimento coletivo”, completou Greta.

Mediadora da conversa, Ana Carolina Martins destacou a importância dos movimentos em favor da sociedade periférica. “Fui uma jovem apoiada por uma organização social. Acho importante a gente reforçar o papel das organizações, principalmente nos anos 80 e 90, que fizeram muitos movimentos e lutas para que a gente pudesse estar aqui, e eu sou muito grata por essa coletividade”, disse. 

Ana Carolina foi a idealizadora e a diretora do documentário Visionários da Quebrada, que foi ao ar no passado e mostra a visão das periferias sobre a cidade de São Paulo. Deixando os problemas de lado, o material mostra a história de pessoas que fazem a diferença nas comunidades.

Ana Carolina (direita) palestrou ao lado de Pamela (esquerda), que cuida de uma rádio comunitária (Foto: Matheus Lizardo)

Já Tony Marlon, empreendedor social e integrante do jornal Embarque no Direito, afirma que seu foco é entender a real necessidade das pessoas. “O meu lugar é sempre prestar atenção na necessidade que existe nos lugares e o que eu posso fazer para solucionar essa necessidade através do meu repertório”, afirmou. “A tecnologia possibilitou que eu criasse novas relações. A tecnologia mudou um contexto, um jeito de existir, e isso, demandou uma mudança na forma de se relacionar com as coisas”, concluiu o jornalista. 

A importância da tecnologia na vida das pessoas fica ainda mais evidente na fala de Fátima, integrante do grupo Casa dos Meninos, que tem a ideia de utilizar a intranet para facilitar a comunicação em locais que têm menos condições do acesso à internet.

“As pessoas têm mais condições de pensar em mudanças para o próprio território, então, isso é uma questão fundamental que precisamos compreender e desenvolver tecnologias. Apostamos que a parcela mais propícia a um processo revolucionário ainda é jovem. Então, apostamos na juventude. Mais do que usar tecnologia, precisamos passar por um processo de construir a nossa própria tecnologia, e é esse o desafio”, concluiu Fátima.

VEJA TAMBÉM:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *