Aprovado processo de impeachment contra o prefeito de Itaquaquecetuba

Por Camila Alves e Geovanna Domingos  

A Câmara Municipal de Itaquaquecetuba aprovou no dia 09 de abril (terça -feira) a abertura do processo de impeachment contra o prefeito Mamoru Nakashima (PSDB), que está em seu segundo mandato. Dez vereadores votaram a favor da cassação e nove foram contra.

Duas denúncias começaram a ser investigadas por Comissões processantes em 2019. Mamoru é acusado de cometer irregularidades na contratação de empresas que prestam serviços de coleta de lixo e merenda escolar.

Cada acusação terá uma comissão que investigará o caso, apresentando um relatório final sobre a queixa. Para apurar a contratação da empresa Peralta Ambiental, por parte da prefeitura, foram designados os vereadores Santiago (PSD), David Ribeiro da Silva (PPS) e Alexandre de Oliveira Silva (SD), conhecido como Xandão.

Já os que vão trabalhar em cima das suspeitas de irregularidades com o serviço da merenda escolar no município são os vereadores João Batista Pereira de Sousa (PSDB), conhecido como Pelé da Sucata; Aparecida Barbosa da Silva (PTB), a Cida da Fisioterapia; e Rolgaciano Fernandes (Podemos).

Os integrantes das comissões irão se reunir, ao final dos trabalhos, para definir quem será o presidente e o relator dos processos. Depois de escolhido o presidente, dentro do prazo de 48 horas, ele irá emitir uma notificação ao prefeito sobre as denúncias. Mamoru terá até dez dias para apresentar uma defesa, enquanto isso as comissões deverão procurar por provas.

Passando esses prazos, serão dados cinco dias para que a acusação e a defesa tragam suas alegações, junto com um relatório final, para o presidente da Câmara, que convocará uma sessão extraordinária para o julgamento. Para a cassação ocorrer, serão necessários dois terços dos votos dos membros da Câmara.

População na primeira sessão de votação na Câmara Municipal de Itaquaquecetuba – Foto por: Ingrid Estevão

Posição dos vereadores

Os vereadores Élio de Araújo (Elinho, do PT do B) e o Rolgaciano Fernandes (Podemos) deixaram claro os seus pontos de vista a respeito do processo de impeachment do prefeito. Com opiniões diferentes, os membros da Câmara pontuaram as ações de Mamoru, justificando os seus votos.

Élio (PT do B), é ex-policial militar, e está atuando na política há quase 20 anos, em 2016 foi eleito pela primeira vez vereador. Votou a favor da abertura do impeachment, pois percebeu que tinha uma irregularidade no contrato que o prefeito tinha elaborado durante o seu mandato e, no seu entendimento, Mamoru cometeu uma infração administrativa.

Quando questionado sobre o mandato do antecessor do administrador municipal, o vereador disse que era mais popular comparado ao atual, e que também realizou mais feitos pela população de Itaquaquecetuba. “Ele (antecessor de Mamoru) viabilizou o asfalto. Uma boa parte do município era só terra. O Armando investiu na pavimentação”.

Já Mamoru, segundo Élio, não investiu em obras nos seus seis anos de mandato. Ele acredita que faltou comprometimento da parte do prefeito em relação aos serviços prestados a Itaqua. Além disso, o vereador coloca em questão a dívida que o município está envolvido e afirma que ela triplicou nos últimos seis anos “Não se tem uma explicação do porquê disso ter acontecido, não existe uma transparência do PSDB sobre o assunto”, opina.

Élio de Araujo, vereador PT do B – Foto: arquivo pessoal

Hoje, os vereadores estão monitorando todos os processos que passam pela Câmara, mas antes o questionamento era baixo.”Tudo o que era decidido na prefeitura, era acatado. Ninguém pensava em primeiro analisar e ver o que realmente estava acontecendo”, Élio relata.

Praticamente 60% da Câmara Municipal foi renovada, segundo os vereadores, porque a população “percebeu que o gabinete era induzido pela gestão do executivo”. Quando questionado sobre a forma que os vereadores eram tratados, Élio disse que era “mais ou menos como uma ditadura, ou seja, manda quem pode, obedece quem tem juízo”.

Mas o vereador afirma que hoje todo o projeto de lei que é criado e passa pela Câmara, é processado e se torna informação pública. Para ele, esse é o maior legado que podem deixar. “O governo tem que estar bom para todo mundo. Nem muito para uns e nem pouco para outros. Todos devem ser beneficiados igualmente”, finaliza.

Rolgaciano Fernandes Almeida (Podemos),que está no seu terceiro mandato como vereador,  tem uma visão diferente, pois votou contra o impeachment. Segundo ele, o processo seria um movimento político muito radical. Na sua opinião, Mamoru tem os seus problemas no governo, mas isso não é motivo para cassá-lo.

“Eu vi vereadores votando a favor do impeachment porque a cidade está esburacada, os bairros alagados… Mas esses não são motivos para abrir o processo, ele foi acusado por problemas específicos”, justifica Rolgaciano.

Para ele, o prefeito deixa a desejar, pois falta um acolhimento de sua parte com as pessoas e as causas sociais, mas hoje, todos os prefeitos estão passando por dificuldades financeiras e dívidas, não é uma exclusividade de Mamoru. “Eu acredito que qualquer um que estivesse no lugar dele, passaria por problemas”.

O vereador diz que não sabe o que esperar do futuro, pois ele é incerto e “o que está ruim, pode piorar”.  Rolgaciano acredita que todos os membros da Câmara devem se reunir e ajudar a superar as dificuldades atuais. “Deve haver um embasamento legal para cassá-lo. Eu respeito a opinião dos vereadores que votaram a favor, mas peço que respeitem a minha também”.

Rolgaciano Fernandes Almeida, vereador de Itaquaquecetuba

As acusações contra Mamoru estão sendo processadas pelas comissões. Após esse feito o processo de impeachment vai a um julgamento extraordinário. Para mais informações sobre o caso acesse: Câmara de Itaquaquecetuba

Vereadores que votaram a favor  da cassação

Adriana do Hospital

Pelé da Sucata

Cesinha da Associação

Santiago

Edson da Paiol

David Neto

Elinho

Valdir da Farmácia

Vandão

Armando Neto

Vereadores que votaram contra a cassação

Celso Reis

Cida da Fisioterapia

Arnô Cabeleireiro

Luizão

Cidinha da Assistência Social

Carlinhos da Minercal

Roberto Letrista

Xandão

Rolgaciano.

Editora - Alice Santos; 
Pauteira – Rebeca RealFotografo – Ingrid Estevão; 
Revisora – Fernanda Ferreira.

 

11 comentários em “Aprovado processo de impeachment contra o prefeito de Itaquaquecetuba

  • abril 24, 2019 em 4:57 pm
    Permalink

    Parabéns, ótima matéria! Adoraria que acontecesse com o prefeito de São Paulo também hahaha

    Resposta
  • abril 24, 2019 em 8:24 pm
    Permalink

    Parabéns pela matéria, apesar de não gostar de policita, acredito que é importante sabemos o que acontece dentro da nossa cidade, servido de exemplo para toda a capital e para outros estados de nosso pais.

    Resposta
  • abril 24, 2019 em 9:00 pm
    Permalink

    Matéria super interessante. Espero que as investigações sejam levadas a sério e que não haja nenhuma impunidade, pois só a população sofre com isso. Oq esses políticos tem que entender é que qualquer corrupção que eles façam por menor que seja. acaba se tornando um grande problema para o comunidade.

    Resposta
  • abril 24, 2019 em 11:00 pm
    Permalink

    Esperamos que seja feito um julgamento justo não fique só em palavras..

    Resposta
  • abril 24, 2019 em 11:53 pm
    Permalink

    Parabéns ótima material esclarecedora e imparcial

    Resposta
  • abril 24, 2019 em 11:53 pm
    Permalink

    Brilhante matéria e excelente notícia!
    Parabéns!

    Resposta
  • abril 25, 2019 em 12:47 am
    Permalink

    Adorei a matéria, bem atual e com linguagens bem acessíveis, ajudando assim ao leitor ter um bom desenvolvimento e entendimento.
    No geral, estão todos de parabéns pelo conteúdo♥️

    Resposta
  • abril 25, 2019 em 1:06 pm
    Permalink

    Por mais materias assim,estão de parabéns. Esperamos que consigam ver essa situações dos prefeitos. Não só de Itáqua mas de várias cidades de são. Paulo que vem sofrendo com os descaso.

    Resposta
  • abril 25, 2019 em 1:17 pm
    Permalink

    Ótima materia muito bem explicada esperamos que o caso seja resolvido que não caia no esquecimento e que não tenha impessilios.

    Resposta
  • abril 25, 2019 em 7:23 pm
    Permalink

    Da pra fazer a mesma coisa com o prefeito de São Paulo?! Kkkkk
    Parabéns pelas matérias meninas.vcs arrasaram.

    Resposta
  • abril 27, 2019 em 2:44 am
    Permalink

    A matéria ficou muito boa, é um assunto relevante que está sendo pouco retratado. O interessante é ver como o povo e os próprios vereadores perceberam a força que têm, seria bom se isso acontecesse em todo o país.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *