Biometria: a mudança está em nossas mãos

Obrigatoriedade do cadastro da biometria faz com que eleitores de diversas cidades do país regularizem sua situação

Por: Marian Capelini

Em boa parte do país, a Justiça Eleitoral já encerrou o prazo do cadastramento biométrico obrigatório. Porém, a data final é no dia 30 de março para alguns locais. Nas cidades de Salvador (BA), Guarulhos (SP) e Sorocaba (SP) a biometria já é obrigatória. Para o cadastro, o eleitor deve comparecer a um cartório e fornecer as impressões digitais que serão a sua identificação na hora do voto.

Ao longo das últimas semanas, o que se vê na cidade Guarulhos são filas. Seja no cartório ou no Poupatempo da cidade, as pessoas querem fazer o seu cadastro para não correr o risco de ter o seu título de eleitor cancelado. Muitos eleitores deixaram para se cadastrar em cima da hora, porque o prazo se encerra no dia 23 de março, então correm contra o tempo para garantir a legalidade de seus votos. O cartório abriu mais cedo, às 8 horas da manhã, para fazer a distribuição das senhas, e algumas pessoas já estavam lá desde a noite anterior.


A intenção da Justiça Eleitoral é de cadastrar 100% dos eleitores até 2022. Na cidade de São Paulo o cadastro ainda é facultativo, mas segundo O Tribunal Regional Eleitoral, já foi feito por 32% dos 8 milhões de eleitores paulistas. Há uma campanha para que as pessoas antecipem o cadastro biométrico.

Para se cadastrar o cidadão deve estar munido dos seguintes documentos: RG, Comprovante de residência e Documento comprobatório de alterações de dados pessoais, se houver. Se a pessoa for tirar o seu primeiro título precisa levar o comprovante de quitação do serviço militar, original e cópia (para homens com idade entre 18 e 45 anos). A CNH não é aceita como documento porque não indica nacionalidade.

Após isso, o eleitor cadastra os dez dedos da mão, tira uma foto e faz uma assinatura digitalizada, mas na hora de votar a identificação é feita apenas pelo dedo indicador ou polegar. Não é necessário assinar o caderno de votação, pois a fotografia do eleitor já está grampeada no caderno.

Campanha da biometria de 2017 e 2018.

Se a pessoa não fez o cadastro no prazo estipulado e teve seu título de eleitor cancelado, deve entrar no site do TSE e gerar o boleto para pagar a multa de R$ 3,51, e agendar o atendimento em um cartório ou em algum posto eleitoral para ter a sua situação regularizada e fazer o cadastro biométrico.

Sem o título de eleitor regularizado, o cidadão fica impedido de receber salário (se for funcionário público), tirar novo passaporte ou até mesmo o RG, tomar posse de cargo público, renovar matrícula em faculdades e até mesmo de realizar empréstimos em bancos públicos. E quem não regularizar a situação do título de eleitor até 9 de maio não poderá votar na próxima eleição.

 

 

Fotografias de Thainná Bastos; Edição de Simone Miranda; Revisão de Raíssa Pilar;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *